Edge computing, a próxima geração de inovação

Futuro da tecnologia empresarial não ficará confinado à nave-mãe do data center – nem mesmo à nuvem pública

Como outras novas áreas da tecnologia empresarial, a edge computing é um amplo conceito arquitetônico, e não um conjunto específico de soluções. Primeiramente, a edge computing é aplicada a situações de baixa latência em que o poder de computação deve estar próximo à ação, seja essa atividade robôs IoT industriais lançando widgets ou sensores medindo continuamente a temperatura das vacinas em produção. A empresa de pesquisa Frost & Sullivan prevê que, em 2022, 90% das empresas industriais empregarão edge computing.

A edge computing é uma forma de computação distribuída que vai além da nave-mãe do data center. Quando você pensa sobre isso, de que outra forma as empresas deveriam investir no futuro? Sim, sabemos que uma grande parte desse investimento irá para os grandes provedores de nuvem pública – mas o hardware e software que as empresas possuem e operam não irão desaparecer. Então, por que não distribuí-lo fisicamente onde a empresa mais precisa?

Aumentar os sistemas operacionais de negócios de uma empresa no local – onde residem as operações de fabricação, saúde ou logística – usando o incrível poder dos servidores modernos pode entregar todos os tipos de valor comercial. Normalmente, os nós da edge computing coletam muitos dados de sistemas operacionais instrumentados, os processam e enviam apenas os resultados para a nave-mãe, reduzindo enormemente os custos de transmissão de dados. Incorporados a esses resultados estão oportunidades para melhoria de processos, otimização da cadeia de suprimentos, análises preditivas e muito mais.

Os muitos lados da borda

A edge computing pode ser relativamente nova no cenário, mas já está tendo um impacto transformador. Em “4 casos de uso da edge computing essenciais” , Ann Bednarz, do Network World, apresenta quatro exemplos que destacam os benefícios práticos e imediatos da edge computing, começando com uma atividade tão tradicional quanto possível: inspeção de trens de carga. A automação por meio de câmeras digitais e processamento de imagem no local não apenas reduz muito o tempo e o custo da inspeção, mas também ajuda a melhorar a segurança, permitindo que os problemas sejam identificados mais rapidamente. Bednarz prossegue apontando os benefícios da edge computing nos setores de hotelaria, varejo e mineração.

Stacy Collett, Editora colaboradora do CIO, treina seus pontos de vista sobre o abismo entre TI e aqueles em OT (tecnologia operacional) que se preocupam com sistemas centrais específicos do setor – e como melhor preencher essa lacuna. Para ela, ilustrar que melhorar a comunicação entre TI e OT e, em alguns casos, formar grupos híbridos de TI/OT, pode eliminar redundâncias e desencadear novas iniciativas criativas.

Uma objeção frequente do lado OT da casa é que a IoT e a edge computing expõem os sistemas industriais a riscos sem precedentes de ataques maliciosos. Bob Violino, Redator colaborador do CSO, aborda esse problema em “Protegendo a borda: 5 práticas recomendadas”. Uma recomendação importante é implementar segurança de confiança zero, que exige autenticação persistente e microssegmentação, de forma que um ataque bem-sucedido em uma parte da organização possa ser isolado em vez de se espalhar para sistemas críticos.

Keith Shaw, Escritor colaborador do Computerworld, examina o papel do 5G em “Edge computing e 5G dão um impulso aos aplicativos de negócios”. Um dos grandes pontos de venda do 5G é sua baixa latência, um atributo útil para conectar dispositivos IoT. Mas, como Dave McCarthy, Diretor de Pesquisa do IDC, explica: a redução da latência não o ajudará quando você estiver se conectando a um data center distante. Por outro lado, se você implantar “edge computing na rede 5G, ela minimiza essa distância física, melhorando muito os tempos de resposta”, diz ele.

Já os provedores de nuvem em hyperscale (AWS, Microsoft Azure e Google) não estão ignorando a borda. As ofertas de edge computing de estágio inicial agora estão disponíveis nas três gigantes, incluindo mini-nuvens implantadas em várias localidades, bem como suas saídas ofertas no local (como AWS Outposts ou Azure Stack) totalmente gerenciadas pelo provedor. O benefício exclusivo da edge computing em nuvem pública é a capacidade de estender a arquitetura e os serviços de nuvem subjacentes.

A variedade louca de ofertas de edge computing e casos de uso cobre uma gama tão ampla que começa a soar como, bem, computação. Como muitos notaram, o modelo de “grande nuvem” é uma reminiscência dos velhos tempos do mainframe, quando os clientes acessavam computação e armazenamento centralizados por meio de terminais em vez de navegadores. A edge computing reconhece que nem tudo pode ou deve ser centralizado. E as variações inventivas dessa noção simples estão desempenhando um papel fundamental na formação da próxima geração de computação.

Fonte: PortalCIO

0 Compart.
Twittar
Compartilhar
Compartilhar
Pin